Rio Grande - Sábado, 19/01/2019
:: 90 anos do Porto de Rio Grande
:: Artigo
:: Cartas
:: Colunas
:: Comunidade
:: Curtas
:: Economia
:: Editorial
:: Empreendedor
:: Especial
:: Esportes
:: Foto da Semana
:: Geral
:: Pier News
:: Rio Grande - 270 anos
:: Variedades

:: Min. º
:: Max. º
Câmbio Compra Venda
U$ com. - -
U$ par. - -
Indicador Valor
Poup. Dia -



Colunas 24/10/2005



Ecos do Passado - UM TIPO INESQUECÍVEL

O imigrante italiano Luigi Angelo Lorea, hoje nome de uma das mais importantes artérias da nossa cidade, aqui chegou em 1887, com apenas 13 anos de idade. De simples empregado de uma padaria, passou a proprietário de um pequeno armazém e, em breve, se enfileiravam sob o seu comando várias indústrias, um estaleiro, fazendas de criação de gado, lavouras, moinhos, metalurgia e fundição, não só aqui, mas também em Pelotas e em outras cidades da região, reunindo cerca de cinco mil empregados.

Houve época em que levas de imigrantes italianos chegavam ao Sul do Brasil, desembarcando no nosso porto, para encaminhar-se às terras devolutas da região serrana, onde criariam prósperos núcleos. Rio Grande, antes e depois dessa imigração em massa, recebeu italianos que vinham em pequenos grupos para radicar-se aqui, sem contar com a proteção direta do governo brasileiro. Os que vinham para Rio Grande, em sua maioria, não eram agricultores, mas artesãos, artistas ou vocacionados para o comércio, todos movidos pela esperança de viver e prosperar na América. Luiz Loréa foi um desses imigrantes isolados que, ainda no limiar da adolescência, cheio de disposição para lutar e vencer, embarcou para o Brasil. Nascido no dia 21 de agosto de 1874, filho de um modesto vinhateiro, Luiz aqui chegou no dia 27 de abril de 1887 e logo começou a trabalhar. Em junho de 1894, dois meses antes de completar os 20 anos, já com economias que lhe permitiram deixar o emprego de operário e montar o seu próprio negócio, casou com Cantalice da Silva, com a qual teve as filhas Ruth, que casou com o Dr. João Marinônio Carneiro Jr.; Stella, que foi esposa de João Ferreira Touguinha; Sarah, esposa o Dr. Firmino de Pinho, e um filho, Luiz. Junto com a esposa conseguiu progredir em seus negócios, que começou a diversificar em 1909, quando se associou ao compatriota Rafaele Marsiglia. Daí em diante, não cessou de empreender novas atividades produtoras e em pouco tempo já podia desfrutar de excelente situação financeira. Além das diversas indústrias que possuía, foi acionista de outras e seu nome figurou entre os que fundaram a primeira empresa da aviação brasileira, a Varig. Foi também o maior dono de imóveis do município, quando fundou a hoje centenária Associação dos Proprietários de Imóveis do Rio Grande. Foi ainda diretor da Associação Comercial dos Varejistas e da Câmara de Comércio, benemérito e músico da Banda Rossini. Luiz Loréa cooperou expressivamente com a sua própria família, com obras sociais e, sobretudo com a Igreja Católica, em cujo seio foi criado. No Rio Grande esteve entre os primeiros contribuintes em várias campanhas destinadas à construção e conservação de templos, tendo oferecido, sozinho, toda a capela-escola Jesus-Maria-José, inaugurada em 1937, origem da Matriz da Sagrada Família, na Av. Pelotas. Na Itália, que nunca esqueceu, ajudou a reformar e ampliar a igreja de San Germano Vescovo, que encontrou quase em ruínas na cidadezinha onde nasceu, Talonno. Por isso, ao lado do altar-mor daquele templo há uma placa de grandes dimensões, em mármore, onde foram gravadas palavras de agradecimento daquela comunidade ao seu grande benfeitor. Foi agraciado com a Ordem del Lavoro, do Reino da Itália, e com a Ordem de São Gregório Magno, do Vaticano, ambas no grau de Cavaleiro. Morreu aos 74 anos, no dia 31 de julho de 1948, em Montevidéu, onde se encontrava em tratamento de saúde. Foi sepultado aqui, no Cemitério Católico, com grande acompanhamento.
Fonte: Boletim da SOAMAR-RG/ nº 22/1997



23/05/2005
- Ecos do Passado
- Ramão Freitas

20/05/2005
- Ecos do Passado - RODOLFO LIMA MARTENSEN
- Ramão Freitas

09/05/2005
- Ecos do Passado - Um tipo inesquecível ALBERTO MIRAND...
- Ramão Freitas

02/05/2005
- Ecos do Passado - BIBLIOTECA RIO-GRANDENSE
- Ramão Freitas

25/04/2005
- Ecos do Passado - UMA BELA LIÇÃO DE VIDA
- Ramão Freitas

<  21  22  23  24  25  >   

     C o m e n t á r i o     

    I n d i c a r    N o t í c i a     

    I m p r i m i r
Participe do Jornal Bom Dia, que agora é diário, o que gostarias de ver mais em nosso jornal?
Classificados
Notícias de jovens (baladas, variedades, vestibular)
Notícias de desenvolvimento da cidade
Vou escrever um e-mail e mandar minha opinião
Câmara de Comércio
Câmara de Vereadores
Pesca Rio Grande
Porto do Rio Grande
Prefeitura Municipal
Rio Grande Virtual
Universidade do Rio Grande